Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…
Mensagens recentes

A decisão mais maluca que já tomei...

Setembro marca nosso “novo ano”. O inicio do ano lectivo vem sempre acompanhado de coisas novas, novos objetivos, novos desafios e muitas expectativas, não só para os miúdos, para mim também, e este ano eu tomei a decisão mais maluca de sempre!

Vou passar um ano sem comprar roupa! Eu sei que é de doida e, na verdade, não sei se vou ser capaz, mas uma coisa vos garanto, estou decidida a tentar! Ficam desde já salvaguardadas algumas situações, tais como casamentos e afins (e só se não conseguir reciclar) e casos de extrema necessidade por estrago ou velhice da peça.
Ando a pensar nesta ideia já há um tempo e depois de mais uma época de saldos, em que dei comigo a vaguear pelas lojas e a pensar que não precisava de nada, (embora tenha comprado algumas peças, mas muito poucas, e nessas estão os botins lindos de ontem) e mesmo que precisasse não tinha sítio onde pôr nem mais um par de meias, tomei esta decisão maluca!
Para além disto, cada vez mais me preocupa o sentimento “da felicidade…

O que eu gostava mesmo, mesmo...só que não!

Sabem o que eu gostava mesmo, mesmo?
Ser hiper mega organizada e preparar os posts do blog com uma semana de antecedência, e mostrar umas fotos super fashion, e fazer uns posts fofinhos e aparecer em todos os feeds e pumbas, ser a maior!
Só que Não!!
Porque essa não seria eu, porque eu não sou hiper organizada, quanto mais mega, porque mesmo depois de fazer uns workshops (com pessoas super profissionais) para ser mais organizada e aprender a fazer uns posts giros e como devem ser, não faço nada, porque o que eu gosto mesmo é de ser espontânea e postar o que me apetece, às vezes com as fotos tortas, porque mesmo não sendo super fashion eu assumo o meu estilo, porque eu gosto da minha vida tal como ela é, e sou feliz com todas as minhas falhas! O entrevidasecoisas é isto e não faz sentido ser outra coisa!
Obrigada a quem nos segue e aceita tal como somos.
ps - este post por acaso foi escrito ontem, num dos meus momentos de reflexão ao Domingo, mas só saiu hoje porque nos entretantos há …

Quando as redes sociais nos ensinam a ver para além do visível...

Sigo a Ana do familyhome29 há menos de um ano, mas gostei dela desde o primeiro like, embora só mais tarde tenha percebido porquê. Depois de termos trocado algumas mensagens percebi que a Ana era uma pessoa maravilhosa, com uma família linda e que escrevia sobre assuntos que me interessavam de uma forma honesta e muito clara (como se diz na minha terra, sem "papas na língua"). E não vou aqui falar-vos do Instagram dela, porque esse é de perder a cabeça!

Depois de ler o último texto da Ana no blogue, que RECOMENDO a toda gente, até porque trata de filhos feministas (e não é um erro ortográfico) e uma história de vida que aperta o coração, percebi que é muito importante ver para além do que é visível, ter o coração aberto para aprender e agradecer todos os dias as pequenas lições da vida. 




Como se explica?

Como se explica a estas miúdas de 8 anos que a partir de hoje vão estar a mais de 3000km de distância? Como explico à minha filha que a amizade também existe à distância, quando aquilo que ela quer é ter a amiga na casa dela para brincar, para contar segredos, para abraçar e discordar acerca do vestido amarelo da boneca? Bem sei que as amizades sobrevivem à distância, mas é precisamente nestas idades que se criam os laços que ficam para sempre e se cria aquela cumplicidade de amigas de infância e isto (ainda) não se faz virtualmente, nem se explica a quem só tem 8 anos.
Dizia-me ela com os olhos cheios de lágrimas (e eu também): oh mãe eu gosto muito da Inês, ela é a minha melhor amiga, aquela com quem eu falo a minha língua, vou ter muitas saudades dela... 
Com a mesma idade passei pelo mesmo turbilhão de emoções e sei que o tempo tudo cura, assim como sei que não é a distância ou o passar dos anos que nos fazem esquecer estas amigas especiais, mas com estas idades não se percebe po…

Hoje levei um murro e agradeci...

A segunda-feira é aquele dia em que me organizo mentalmente para o resto da semana e geralmente tenho uma boa relação com este dia, até porque na maioria das vezes estou bem disposta e gosto de (re)começar, mas hoje levei um murro no estômago e tive que parar para me organizar outra vez, não só para o resto da semana mas talvez para o resto da vida...

No arquivo onde ia ter uma reunião estava um rapazinho, que fiquei a saber depois, com 13 anos, numa cadeira de rodas, que me pediu a mão mal me viu entrar... dei-lhe a mão e fiquei uns bons minutos de mão dada com ele, a sua pele era suave e fria... durante esse tempo falei com o pai que me disse que o Isaac não falava e mal se mexia, o que percebi mal o vi pela forma como as fitas o seguravam à cadeira e as próteses nas pernas... despedi-me do pai com um adeus e do Isaac com um beijo na mão que segurava a minha...e nesse momento o meu coração encheu-se de tristeza e muita angústia, ao mesmo tempo que agradecia a todos os santos e credo…