Avançar para o conteúdo principal

Se tenho sorte? Tenho muita sorte...

Todas as vezes que ponho umas fotografias catitas na praia ou do nascer do sol, ainda recebo assim umas mensagens sarcásticas, e não me estou a referir aos amigos que me “insultam” em público, a esses eu agradeço, pois é sinal que ainda gostam de mim! Refiro-me aos outros, que o fazem em privado e me dizem a roerem-se de inveja:
“à que sorte!”
“tu é que estás bem!”
“que rica vida e tal...”

Acham mesmo que tenho uma rica vida? Então agora vamos lá ver isto de outra maneira...

Deixei o meu país,  a profissão (e um emprego seguro) que escolhi e a carreira que construi por mérito próprio (só foram 16 anos), deixei a minha casa, que comprei com empréstimo ao banco (e que continuo a pagar) e que me esfalfei para decorar, deixei os amigos (e quem me conhece sabe que são o meu bem mais precioso), deixei família (alguns deles fazem parte dos meus melhores amigos), deixei a cidade que me viu crescer, os sítios que adorava ir, as cores, as caras familiares e os hábitos que me faziam feliz...por amor à família, aos meus filhos e ao meu marido!

Se me arrependo? Não, nem por um minuto! Se me queixo? Não, a escolha foi minha e voltava a fazê-lo! Foi fácil? Não!

Tinha 39 anos, 2 filhos, uma vida organizada (segundo os meus pardões e nunca tive reclamações por escrito), e de repente tudo se desorganizou... foi preciso aprender a viver num país que não conhecia, com hábitos de vida muito diferentes e com pessoas que nunca tinha visto... fizeram-me muita falta os amigos (o mimo, as longas conversas, as confidências e os abraços), os almoços barulhentos e divertidos com os colegas de trabalho, os jantares de última da hora, os fins de semana com a casa cheia..., faltaram-me as caras conhecidas das rotinas diárias, o café no sítio do costume, o pastel de nata... fez-me falta tudo o que fazia sentido na organização da minha vida.

Há sempre aquela ideia de que o emigrante vive uma vida desafogada e que fica rico em três tempos... quanto aos outros emigrantes não sei, mas no nosso caso, embora seja verdade que estamos melhor do que estávamos, contiuamos a ter contas para pagar, e agora são duas casas em vez de uma, um colégio em vez da escola pública, cuidados de saúde e medicamentos que custam o dobro de Portugal, e a alimentação não é propriamente barata, por isso, como disse em tempos um engenheiro agora muito importante (e os meus parabéns a ele) "é só fazer as contas".

Serve isto tudo para vos dizer, que sim, que até têm razão, tenho uma vida rica, estamos todos juntos, os miúdos adoram o colégio, já fizeram amigos e eu também (mas continuo a ter muitas saudades dos que estão longe, são insubstituíveis), a praia fica ao virar da esquina (isto é uma ilha), o bom tempo prolonga-se pelo Outono adentro e a malta pode “praiar” até Novembro (com sorte), levanto-me com as galinhas (às 6.20 já estou a fazer pequenos-almoços), o que me dá tempo para fazer tudo e mais alguma coisa (o que ajuda não ter de ficar horas a fio numa fila de trânsito), até tirar fotografias ao nascer do sol e meter nojo ao pessoal...

Mas meus queridos, não é uma rica vida (no verdadeiro sentido das palavras) e é preciso ter tomates para largar tudo aos 39 (going on 40) e emigrar com dois filhos às costas (vá, os sapatos, a roupa, os brinquedos e a máquina de costura também vieram) e começar tudo de novo!


Se tenho sorte? Tenho muita sorte, estamos todos juntos!  


Fotografia tirada em Julho 2013, quando estávamos em trânsito.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

O que eu gostava mesmo, mesmo...só que não!

Sabem o que eu gostava mesmo, mesmo?
Ser hiper mega organizada e preparar os posts do blog com uma semana de antecedência, e mostrar umas fotos super fashion, e fazer uns posts fofinhos e aparecer em todos os feeds e pumbas, ser a maior!
Só que Não!!
Porque essa não seria eu, porque eu não sou hiper organizada, quanto mais mega, porque mesmo depois de fazer uns workshops (com pessoas super profissionais) para ser mais organizada e aprender a fazer uns posts giros e como devem ser, não faço nada, porque o que eu gosto mesmo é de ser espontânea e postar o que me apetece, às vezes com as fotos tortas, porque mesmo não sendo super fashion eu assumo o meu estilo, porque eu gosto da minha vida tal como ela é, e sou feliz com todas as minhas falhas! O entrevidasecoisas é isto e não faz sentido ser outra coisa!
Obrigada a quem nos segue e aceita tal como somos.
ps - este post por acaso foi escrito ontem, num dos meus momentos de reflexão ao Domingo, mas só saiu hoje porque nos entretantos há …

Ano Novo "same old life folks"

Então Bom Ano outra vez! Sim, porque hoje a grande maioria volta ao trabalhinho e vai perceber que nada mudou! E desculpem-me a tinhosice logo de manhã e ao dia 2, mas vamos lá ser realistas agora que já passou o efeito do champanhe! E as listas de resoluções e planificações e novas decisões, tudo a postos para fazer o “check list”? (tinhosice outra vez)
Bom, vou deixar-me de ironias e falar a sério sobre isto...

Quanto a vocês não sei, mas para mim a passagem do ano é literalmente isso, passar de um ano para o outro sem grandes mudanças ou novidades, o que eu agradeço, até porque gosto de acordar no dia 1 com os do costume e com tudo no mesmo sítio (vá, alguns copos fora do sítio, a casa mais suja que o habitual, mas isso foi só por causa de mais uma festa). Não adianta fazer 500 mil listas de “ano novo” se durante o resto do ano não cuidarmos de nós, não acarinharmos os que mais gostamos, não tomarmos as rédeas da nossa vida e irmos à luta! Pensem nisto e agora vejam lá se fizeram iss…