Avançar para o conteúdo principal

48h de frio, mas frio a sério, por favor...

Ontem, quando finalmente me consegui sentar no sofá, estava a dar um jogo de futebol Americano e nevava, mas nevava a sério, e eis se não quando vejo um dos jogadores a por um gorro na cabeça e a deitar “fumo” pelo boca todas as vezes que respirava, e assim de repente fui teletransportada para a minha infância...

Dezembro era frio, muito frio, as camisolas quentes e grossas, na maioria feitas pela minha mãe, e os collants (de lã) por baixo das calças davam-me aquele ar de chouriço fofinho, muito "fashion" para a época... tudo composto com a bata da escola vestida por cima, que apertava com muito custo, dada a quantidade de roupa, o gorro, as luvas e as botas forradas a pelo... é que o recreio era ao ar livre e fazia frio, muito frio...

Fazíamos de conta que “fumávamos” e não dispensávamos o “ska sku” no gelo que ficava das geadas, corríamos e saltávamos à corda para aquecer, e comíamos pão com queijo e marmelada para repor as energias... Dentro da sala não tínhamos frio e para quem falhasse a tabuada, havia sempre um régua de madeira para aquecer as mãos...

Dezembro era frio, muito frio, e o Natal só fazia sentido assim, frio lá fora, lareira acesa cá dentro (ou o aquecedor a óleo ligado desde manhã, e o meu pai sempre a reclamar por causa da conta da luz)... nestes dias de muito frio era obrigatório estarmos todos juntos na sala ou na cozinha, que eram os sítios mais quentes da casa... e assim se passava Dezembro... com muito frio, mas quentinhos e muito aconchegados pelas camadas de roupa...

Tenho saudades deste frio, mas só agora para o Natal... aqui na ilha prevêem-se uns 17/18º para os dias 24 e 25, mas até que não me importava assim de 48h de frio, mas frio a sério...

Quem não teve umas camisolas assim, feitas pela mãe ou a avó?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…