Avançar para o conteúdo principal

Direito a não estar informada...


Foto de www.allriot.com

Ainda ontem uma amiga escrevia no FB sobre não ver noticiários... Pois eu (nós) já há uns anos que faço o mesmo, muito embora me vá mantendo informada através da leitura de jornais físicos ou digitais, já há um bom par de anos que não sei o que é ver um telejornal... e quando estamos em Portugal pedimos para desligarem a televisão, de tão mau que é... Não há uma única notícia que não comece assim:
Matou
Violou
Espancou
Feriu
Esfaqueou
Bombardeou
Roubou
Etc
Etc

Eu sei que este mundo anda virado do avesso e que tenho a obrigação moral de não lhe virar as costas, mas preciso de fazer um “detox”... Ainda ontem a primeira capa de todos os jornais, ora era a fotografia do embaixador russo ou era a imagem do camião em Berlim... já para não falar no conteúdo, cada vez que viras uma página, na esperança de ver algo útil ou interessante, levas com corrupções, lavagens de dinheiro, etc, etc...

Não, não me apetece estar informada e saber o que se passa neste mundo, chamem-me os nomes todos que quiserem, mas tenho esse direito... estou cansada, na minha cabeça só vejo crianças cheias de sangue, adultos aos gritos, pessoas mortas, países destruídos... “is this the world we created?” Se é, desculpem, mas como não contribuí para isto não quero saber...

Nem sei bem como explicar aos meus filhos esta merda toda, e por isso tento ao máximo poupá-los de verem ou ouvirem sobre estas coisas...têm tempo para perceberem que a mãe e o pai os puseram num mundo de fracos valores (ou nenhuns) e que disparar sobre vizinho, porque ele pediu para por a música mais baixa, é prática comum...

É Natal, dizem eles... se isso servisse para resolver alguma coisa!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…