Avançar para o conteúdo principal

Outro bébe? Não, definitivamente não!

Esta semana visitei uma amiga que tem um bébe de 8 meses, vocês não o conhecem nem vou por fotos dele aqui, mas acreditem, o “Baby M” é um amor! Eu adoro bébes e tenho imensas saudades dos meus filhos bébes, mas quando me ponho a pensar no que passei, sobretudo com ela... ah, afinal já não tenho!

A meio da minha visita, que acabou por se repetir na mesma semana, ofereci-me para dar a papa ao “Baby M” e de repente achei que já não sabia como aquilo se fazia, mas ele há coisas que não se esquece e esta é uma delas... mas o “Baby M” não comeu, fez uma birra porque anda desesperado com os dentes, mas graças a Deus, a mãe estava lá para resolver o assunto... da segunda visita, fomos juntas à piscina, e mais uma vez eu percebi que nunca se perde o jeito de andar com um bébe ao colo (e é tão bom)... o que se perde é a destreza de andar com o bébe ao colo e levar 500 mil sacos e saquinhos, e chuchas e babetes, e etc, etc, etc...

No meio disto tudo pergunta-me ela se eu gostava de ter outro? Digo muitas vezes que se fosse mais nova, sim, gostava muito de ter um terceiro filho (o meu marido tem um ataque todas as vezes que eu digo isto), e confesso que fico muito lamechas, nostálgica e completamente apaixonada por grávidas e bébes... mas quando penso em tudo o que passei, sobretudo com ela... a resposta é imediata: Não, não quero outro! E pronto, já me passou a nostalgia toda...

Podia aqui enumerar os motivos todos porque não quero outro bébe, mas vocês iam apanhar a seca da vossa vida, e eu consigo resumir tudo em meia dúzia de linhas...
A gravidez da minha filha foi de risco, e às 29 semanas fiquei em repouso absoluto e a medicamentos, tive de fazer mais uma cesariana porque a madame se enrolou no cordão umbilical à última da hora (não 1, mas 2 voltas), para além disto tudo, era uma bébe que não dormia, nem de dia nem de noite, e que até aos três anos chamava de 20 em 20 minutos durante a noite (achei que enlouquecia), para completar o cenário, aos três meses tive uma mastite que me deixou em sangue... se quero outro? Não, definitivamente não! Ela hoje tem 6 anos e é um amor de menina, mas continua a ser tão, mas tão intensa, como quando era bébe! É certo que ele também me pôs em repouso absoluto às 30 semanas, e nasceu 4 semanas depois, também de cesariana, por estar em risco por falta de líquido, mas comparado com ela foi um amor de bébe (nós até nos esqueciamos que tínhamos um bébe em casa)! Mamava de 2h em 2h e dormia que nem um anjinho, ainda hoje, é deitar e acordar no dia seguinte! Agora tem 10 anos e acha que já é gente, que sabe tudo e que manda (sem saber em quê ou em quem, mas pronto), agora é a vez dele de dar comigo em doida (pelo menos intercalam)! Se quero outro? Não!

Resumindo, adoro bébes, adoro o cheiro deles, adoro a pele fofinha, adoro tê-los no colo e dar-lhes muitos beijinhos, mas na hora de comerem, dormirem e fazerem birras, a mãezinha e o paizinho que os aturem!

Agora vou ali criar os meus, o melhor que sei e consigo, e cruzar os dedos para que saiam uns adultos em condições, que da maneira que isto está às vezes tenho dúvidas se vamos conseguir...

Os pézinhos do "Baby M" com 2 meses

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…