Avançar para o conteúdo principal

Às vezes dou comigo a pensar como seria a minha vida sem filhos, até porque ter filhos não estava na minha lista de prioridades em solteira...mas a macaca da vida dá tantas voltas!

Depois de alguns "desamores", decidi que casar não era para mim e que ter filhos era uma coisa a pensar, mas sem grandes pressas (e se pudesse tê-los solteira, melhor ainda). Na altura o meu plano de vida incluía, essencialmente, estudar e viajar! Mas como planos há muitos (é como os chapéus), a vida encarregou-se de me trocar as voltas em meia dúzia de meses (literalmente), e não só casei como tive 2 filhos! A verdade é que em momento nenhum me arrependo das decisões que tomei e de ter alterado os meus planos!

Para ser honesta, não me ocorrem muitas coisas que poderia fazer se não os tivesse, a não ser que a esta altura já teria o doutoramento feito (quando se paga colégio, não se paga propinas) e que passaria grande parte do meu tempo livre a viajar (não me posso queixar da falta de passeio, mas o orçamento é bem mais apertado), ou seja, estaria a cumprir o plano inicial.

E tudo isto porque tenho este sentimento gigante de uma enorme responsabilidade para com os meus dois filhos! E quando se tem uma missão como estas, o medo de falhar é inerente! Tenho medo de falhar e não ser capaz de lhes dar as ferramentas certas para serem adultos felizes. Tenho medo de falhar nas doses (certas) de amor e regras, de ser demasiado permissiva ou demasiado rígida. Tenho medo que este mundo seja demasiado cruel com eles e não lhes dê oportunidade para crescerem felizes e orgulhosos de si mesmos...

Tenho dias que me sinto engolida por estes sentimentos, e dou comigo a pensar e a questionar se o que estou a fazer é bem feito, e se vou ser capaz de contribuir para este mundo com mais dois seres humanos dotados de valores e bondade!

Às vezes ser mãe é uma merda!

Sometimes I think to myself how my life would be without kids! Even more because having kids was not part of my list of priorities when I was single... life takes so many turns!
After a few times heartbroken, I've decided that getting married was not meant for me and I would consider having kids, but without any kind of rush or biological tic tac pressure. By then, my life plan included mainly study and travel. But in 6 months my whole life changed, and suddenly I was a mom and getting married. To be honest, I would not change a bit of this huge life turn! It was the perfect moment!
If I think twice, there aren´t manny things I would do different without them. Perhaps I would have completed my PhD by now (when you pay for private schools, you can´t pay for PhD fees) and I would spend most of my free time traveling (I can´t complain, but it is a fact that the budget is completely different when you are 2 or 4).
And all of these thoughts come to me because I have this huge felling about being responsible for my kids. When you have a mission like this the fear of failing is always present. I am afraid of failing and not being capable of giving them the proper tools to be happy adults. I am afraid of failing in giving them the (right) doses of love or proper rules, of being too lenient or too rigid. I am afraid of this world be too cruel with them and do not give them the opportunity to grow happy and proud of themselves...
Some days I feel swallowed by these feelings, and I find myself wondering and wondering if what I am doing is right, and if I will be able to contribute to this world with two human beings endowed with values and kindness!
Sometimes being a mom sucks!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…