Avançar para o conteúdo principal

Sem autorização para desistir...

“Lamento informá-la mas as mães não têm autorização para desistir”

Estou muito cansada, o que é normal nesta altura do ano, estamos todos a precisar de férias juntos e separados. A escola está quase acabar, mas ainda faltam os exames, ele também está cansado e não gosta de estudar; ela por sua vez, também já se lhe nota algum cansaço, faz mais birras que o habitual e chama por mim a cada minuto; o esforço exigido a todos lá em casa é quase sobrenatural. Confesso que este fim de semana dei comigo a pensar em desistir de lhe explicar porque precisa de estudar, mas doeu-me o coração só de pensar, eu sei que as mães não desistem, mas podem pedir ajuda (e eu tenho tanto sorte), o pai tomou conta do assunto e até o tio deu uma mãozinha.

Foi quando percebi que o código de conduta de uma mãe deveria ser mais ou menos isto:

"Por mais cansada que estejas, esfomeada ou privada de sono, és mãe, assumiste essa responsabilidade sem ninguém te pedir, não tens autorização para desistir, mas podes e deves pedir ajuda.

Os filhos “não são teus”, mas tu és mãe deles até ao infinito e mais além, nos sorrisos e nas lágrimas, nos abraços e nos castigos, nas vitórias e nas derrotas, nos dias fáceis e nos mais difíceis, mas em momento nenhum tens autorização para desistir.

Mãe és, mulher também, não tens autorização para desistir de nenhuma das duas, dos teus filhos cuidarás mas de ti também, com vista o respeito e o bom exemplo."

E com isto deixo aqui o meu mais profundo respeito por todas as mães que não desistem, mesmo quando estão à beira de um ataque nervos; por todas as mães que não têm a quem pedir ajuda; por todas as mães que não desistiram quando os filhos partiram; por todas a mães que não desistiram dos filhos de outrem. E um obrigada à minha, que foi um excelente exemplo!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…