Avançar para o conteúdo principal

May the force be with you...

No sábado fomos à festa de uma amiga que está de partida com a família para novas aventuras, mas não é sobre isto que vos vou escrever hoje, até porque isto puxa à lágrima no canto do olho e eu não vos quero estragar a maquilhagem!

Hoje vou falar-vos de como nós, “os 40”, é que sabemos curtir! As festas geralmente começam cedo (não precisamos de esperar pela meia noite para sair de casa até porque até lá adormecemos, por isso mais vale sair cedo), mas acabam tarde e quando digo tarde, digo madrugada fora (esta malta de 40 é uma cambada de românticos e gosta de ver o sol nascer). Bebemos q.b. (eu diria alguns bons litros, mas aguentamos-nos bem até porque já andamos nisto há muito tempo e a resistência é muita), sem cair para o lado e sem partilhar o conteúdo do nosso estômago com os amigos (até porque nos retiramos antes disso acontecer e depois em casa cada um faz o que quer). Dançamos como se tivéssemos 20 anos outra vez, ao som de músicas com quase tantos anos como nós (no dia seguinte não nos mexemos, mas isso é só no dia seguinte) e divertimos-nos à brava (coisa que eu acho que os miúdos de hoje não sabem fazer, porque ao fim de 1h já caíram para o lado)! As únicas figurinhas tristes que fazemos é quando usamos aquelas coisas no telemóvel, tipo o boomerang, mas isso qualquer um faz, certo?

Sem desmérito para qualquer outra geração, a nossa é sem dúvida a melhor! Somos assim um "mix mox" de alta qualidade, até porque primeiro nascemos nos loucos anos 70, vivemos boa parte da nossa adolescência nos anos 80, que é sem dúvida a década de "melhor tudo"! Tivemos a melhor música, e a prova disso é que continuamos a ouvir na rádio Guns N`Roses, Madonna, Queen ou Prince, já para não falar nos 500 mil remixes (e só a título de exemplo, a minha filha de 7 anos este ano cantou Michael Jackson no concerto do colégio); os melhores filmes, quem não viu 10 vezes (e obrigou os filhos e os sobrinhos a ver) o Top Gun, ET ou Regresso ao Futuro que atire a primeira pedra, e isto só para mencionar alguns, porque a lista é grande e das boas. Os anos 80, se bem se lembram, foram também prósperos em desenvolvimento tecnológico, o aparecimento dos CDs, Pcs e Macintoshs foram como que um estágio para o que vinha aí nos anos 90 e 2000 e nós, modernaços que somos, não perdemos nem 1 megabite da coisa. Os 80 são a famosa década das ombreiras, das all-star e das calças de ganga de cintura subida, é-vos familiar esta imagem? (muito provavelmente já viram a vossa filha, a sobrinha ou a amiga da filha da vizinha nesta figurinha e, no fundo no fundo, vocês também gostavam de andar assim; eu continuo fiel às all-star, as ombreiras já as vi lá por casa e a cintura subida já esteve mais longe). Entretanto (vamos lá rematar isto que o post já vai longo) já passámos a década de 90, e vamos bem lançados em 2000, sempre com distinção em todas as matérias (que os novos tempos (e os filhos) assim obrigam) mas como é lógico, sem nunca perder o glamour dos 80!

Para continuares a curtir como se ainda tivesses 20

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Eu, uma Portuguesa em Malta...

A semana passada o programa Portugueses pelo Mundo falou sobre os Portugueses em Malta, é triste dizer isto, mas para mim o programa foi uma desilusão...não pelas pessoas que apareceram, até porque só conheço uma (e essa esteve muito bem), mas pela reportagem em si. Malta é muito mais do que aquilo que mostraram ou foi dito...
É verdade que ninguém respeita as filas, é verdade que a alimentação é mais cara, é verdade que por vezes temos a sensação que andámos para trás no tempo, mas também é verdade que as pessoas são muito prestáveis, que é um país seguro para viver, que as praias são maravilhosas e se vive a um ritmo diferente, mais calmo... Mas há muito mais para mostrar de Malta do que o programa mostrou e, se eu não vivesse cá, confesso que não teria ficado com vontade nenhuma de vir conhecer esta ilha plantada no meio do mediterrâneo...
Se querem ficar a saber um bocadinho mais de Malta, cuja a forte presença Portuguesa no século XVIII (tivemos 2 importantes Grão-Mestres, Antón…