Avançar para o conteúdo principal

Sem explicações ou análises...


Não consegui esperar pelas férias para começar a ler o livro “L'art de la Simplicity” e logo nas primeiras páginas dou de caras com esta frase, que publiquei ontem aqui no blogue:

“an acceptance of whatever life brings, without the constant need to dissect, analyse and explain”

Passamos a vida a dissecar, a analisar e a explicar tudo e todos! Andamos sempre à procura de uma explicação para o comportamento do filho adolescente ou da amiga que nos desiludiu, gostamos de dissecar sobre os perigos da internet e da exposição pública, passamos tempos infinitos a analisar números e estatísticas e esquecemos-nos do essencial, que é viver e apreciar as coisas simples que a vida nos dá!

Não quero com isto dizer que devemos todos viver em modo “love and peace” (até porque já houve quem tentasse e sabemos que não resultou), não! Mas confesso que cada vez mais me preocupo menos em procurar ou ter de dar explicações tipo “teoria do Big Bang em 3 actos”!

Tenho um filho pré-adolescente que me dá água pela barba no que diz respeito aos estudos! O rapaz não gosta de estudar, ponto, mas adora ir á escola, por isso nem tudo está perdido! Podia dissecar o assunto e procurar 500 mil padrões comportamentais nos livros da especialidade (e juro que já pensei em fazer isso), mas não vou fazê-lo, até porque ele é um pré-adolescente e tendo em conta que não apresenta mais nenhum tipo de atitude alarmante, isto para já não requer nenhum conselho de estado! Como é lógico, este pequeno senhor não tem outra opção que não seja estudar, e nós cá estaremos para o orientar e agir conforme os resultados!

Já não é novidade para ninguém que volta e meia mando umas “postas” (que às vezes são de pescada, coitadinhas, mas é o que temos para dar) no FB e Instagram, também não é novidade que o blogue é público e volta e meia ponho lá umas fotos dos miúdos, se calhar não devia, mas também se calhar não devia ter FB, nem Insta, nem blogue, nem Skype ou Whatsapp e viver completamente alienada das redes sociais, porque já todos sabemos o que elas são e o que fazem! E dito isto, agora sacava de uma tese (ou duas, ou mais) e ficávamos aqui horas a dissecar o assunto! Quer a gente queira não as nossas relações hoje em dia passam por estas redes de comunicação, e no meu caso só tenho agradecer, porque estou longe e não consigo estar com os que mais adoro sempre que me apetece, e estas ferramentas dão-me uma grande ajuda, é certo que no final, só a nós nos compete nunca perder o poder de um abraço e de um beijo (e disto meus senhores, eu não abdico)!

Quanto ao resto, já não mato esta cabecinha pensadora à procura de explicações, nem tão pouco faço juízos de valor sobre o que cada um faz, diz ou deixa de dizer, é que muitas vezes não há nada para explicar, é assim e ponto!

A última coisa que quero é que pensem que sou alguma erudita armada em "coach" ou coisa que o valha, nada disso, na verdade acho que a idade ajuda e o "fui indo e aprendendo" também, e só com aquilo que aprendi é que percebi que de facto o mais importante é aproveitar o que a vida me dá, sem expectativas ou explicações, mas também sem desistir daquilo que mais quero e gosto...

Vou ali continuar a ler o livro a ver se mando mais umas "postas" como esta!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Fim da escola/ vivam as férias (ou não)....

Amanhã acaba o colégio! Amanhã começam as férias grandes! Para muitos pais isto é uma dor de cabeça... nós, mais uma vez, temos a sorte de ter duas avós maravilhosas que tomam conta deles, para grande alegria dos miúdos e das avós e, descanso dos pais.
O mês de Julho ficam na ilha com a avó Zezinha, vão a banhos todos os dias, têm aulas de natação logo pela manhã, brincam como lhes apetece e ficam tão cansados que à noite é vê-los tombar. O mês de Agosto vão a Portugal e ficam à responsabilidade da avó Barbara, adoram lá estar, fartam-se de passear, e na hora da despedida pedem sempre para ficar mais uns dias. Entre uma avó e outra passam 3 semanas com os pais. Depois, pais e filhos descansam uns dos outros, a avó Zezinha recupera as forças, e no início de Setembro voltam à ilha para se prepararem (que depois de 2 meses de boa vida é precisa muita mentalização) para mais um ano escolar, fazem revisões da matéria dada, compram-se os livros e materiais, mas continuam a ir a banhos até …

Vamos falar sobre as minhas unhas dos pés?

Há cerca de um mês recebi mensagem privada, que destas coisas não se fala em público, sobre o facto de andar com as unhas dos pés por pintar enquanto publicava looks do dia e usava as hashtags #fashion e #blogger, aproveito para dizer que as das mãos também andam a maior parte das vezes por pintar, caso não tenha reparado!

Quer-me parecer que pintar ou não as unhas, independentemente do que publico e das hashtags que uso, ainda é algo que só a mim me diz respeito. Ainda... Se fica feio ou não, isso já é outra conversa, e tenho de concordar que tanto os pés como as mãos ficam mais bonitos com as unhas pintadas. Dito isto, e em minha defesa, tenho que acrescentar que o facto de não ter as unhas pintadas não significa que não ande com os pés e com as mãos arranjadas. O mesmo não se poderá dizer de muito pé que circula por aí alegremente de unha pintada, enquanto que o pé, ele próprio, carece de muito cuidado...

Já agora (há sempre um já agora) aproveito também para dizer que é raro pint…

Vidas e Coisas não é um serviço público...

O  Vidas e Coisas, outrora Entre Vidas e Coisas, que deixou cair o "entre" para simplificar as hashtags, as pesquisas e as identificações 😉
Sim porque eu sei que vocês agora fartam-se de me procurar! 😂😂
Eu sei que não, brincadeira minha, mas está tudo bem! Aceitar o que somos e o nosso espaço no mundo, sobretudo no virtual, faz bem à saúde mental e física! Acreditem, poupam umas notas nas idas ao senhor(a) do sofá verde e algumas gastroenteritis.
O Vidas e Coisas não faz serviço público (e quando faz avisa). É um blogue com 12 anos que só escreve, diz e mostra o que lhe apetece. É o espaço onde partilho bocadinhos da minha/nossa vida (só bocadinhos, porque o que é mesmo nosso é isso mesmo, nosso).

Eu sei que tinha muitos mais seguidores se viesse aqui contar o berro que dei aos meus filhos no sábado (ou perdia logo todos), que volta e meia acordo mal disposta e reclamo o dia todo (é só volta e meia, se não nem eu me aturava), que o marido não arruma os sapatos (ui, só isto …